sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Começamos a chegar a marés de balanços, não é?

Eu pelo menos, começo. Balanços não apenas deste ano, mas destes 3 anos e meio que estive por terras de Lisboa.
Posso dizer que valeu a pena. Não é uma ótima conclusão?

Por ti, Silvina, recorto estas palavras

"O lugar onde, até hoje, senti mais orgulho em ser pessoa foi o Serviço de Oncologia do Hospital de Santa Maria, onde a elegância dos doentes os transforma em reis. Numa das últimas vezes que lá fui encontrei um homem que conheço há muitos anos. Estava tão magro que demorei a perceber quem era. Disse-me
- Abrace-me porque é o último abraço que me dá
durante o abraço
- Tenho muita pena de não acabar a tese de doutoramento
e, ao afastarmo-nos, sorriu. Nunca vi um sorriso com tanta dor entre parêntesis, nunca imaginei que fosse tão bonito.
Com o meu corpo contra o dele veio-me à cabeça, instantâneo, o fragmento de um poema do meu amigo Alexandre O'Neill, que diz que apenas entre os homens, e por eles, vale a pena viver. E descobri-me cheio de respeito e amor. Um rapaz, de cerca de vinte anos, que fazia quimioterapia ao pé de mim, numa determinação tranquila:
- Estou aqui para lutar
e, por estranho que pareça, havia alegria em cada gesto seu. Achei nele o medo também, mais do que o medo, o terror e, ao mesmo tempo que o terror, a coragem e a esperança.
A extraordinária delicadeza e atenção dos médicos, dos enfermeiros, comoveu-me. Tropecei no desespero, no malestar físico, na presença da morte, na surpresa da dor, na horrível solidão da proximidade do fim, que se me afigura de uma injustiça intolerável. Não fomos feitos para isto, fomos feitos para a vida. O cabelo cresce-me de novo, acho-me, fisicamente, como antes, estou a acabar o livro e o meu pensamento desvia-se constantemente para a voz de um homem no meu ouvido
- Acabar a tese de doutoramento, acabar a tese de doutoramento, acabar a tese de doutoramento
porque não aceito a aceitação, porque não aceito a crueldade, porque não aceito que destruam companheiros. A rapariga com a peruca no braço da cadeira. O senhor que não olhava para ninguém, olhava para o vazio. Ali, na sala de quimioterapia, jamais escutei um gemido, jamais vi uma lágrima. Somente feições sérias, de uma seriedade que não topei em mais parte alguma, rostos com o mundo inteiro em cada prega, traços esculpidos a fogo na pele. Vi morrer gente quando era médico, vi morrer gente na guerra, e continuo sem compreender. Isso eu sei que não compreenderei. Que me espanta. Que me faz zangar. Abrace-me porque é o último abraço que me dá: é uma frase que se entenda, esta? Morreu há muito pouco tempo. Foda-se. Perdoem esta palavra mas é a única que me sai. Foda-se. Quando eu era pequeno ninguém morria. Porque carga de água se morre agora, pelo simples facto de eu ter crescido? Morra um homem fique fama, declaravam os contrabandistas da raia. Se tivermos sorte alguém se lembrará de nós com saudade. De mim ficarão os livros. E depois? Tolstoi, no seu diário: sou o melhor; e depois? E depois nada porque a fama é nada.
O que é muito mais do que nada são estas criaturas feridas, a recordação profundamente lancinante de uma peruca de mulher num braço de cadeira. Se eu estivesse ali sozinho, sem ninguém a ver-me, acariciava uma daquelas madeixas horas sem fim. No termo das sessões de quimioterapia as pessoas vão-se embora. Ao desaparecerem na porta penso: o que farão agora? E apetece-me ir com eles, impedir que lhes façam mal:
- Abrace-me porque talvez não seja o último abraço que me dá.
Ao M. foi. E pode afigurar-se estranho mas ainda o trago na pele. Durante quanto tempo vou ficar com ele tatuado? O lugar onde, até hoje, senti mais orgulho em ser pessoa foi o Serviço de Oncologia do Hospital de Santa Maria onde a dignidade dos escravos da doença os transforma em gigantes, onde só existem, nas palavras do Luís, Heróis.
Onde só existem Heróis. Não estou doente agora. Não sei se voltarei a estar. Se voltar a estar, embora não chegue aos calcanhares de herói algum, espero comportar-me como um homem. Oxalá o consiga. Como escreveu Torga o destino destina mas o resto é comigo. E é. Muito boa tarde a todos e as melhoras: é assim que se despedem no Serviço de Oncologia. Muito boa tarde a todos e até já, mesmo que seja o último abraço que damos.
(António Lobo Antunes)

Silvina: http://episodiosderadio.blogs.sapo.pt/

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

E o que se faz por aí?

Por aqui, vai se correndo.
Na minha casa nem se nota que é quase natal, não foram as prendas já embrulhadas que por aí andam. É a única 'decoração' que fiz. Afinal com uma casa a mostrar os primeiros sinais das mudanças, não apetece acrescentar nada à tralha que se vê um pouco por todo o lado.
Estamos felizes com a perspetiva de passar o próximo Natal em nossa casa. A casa onde passámos o primeiro Natal juntos.
Lembro-me como se fosse ontem. Ainda não morávamos juntos nessa altura e cada um ia passar o Natal com os respetivos pais. Então, para termos o nosso Natal, antecipámos as coisas. Decorámos a casa e fiz uma consoada só para dois, com um frango recheado à perú de natal, formigos, aletria, e outros que tais. E foi, até agora, o meu natal favorito de sempre. O mais nosso, mais especial, sem stresses nem correrias, e muito cheio de sentimento.
Este ano vamos ter outro natal. Um cheio de corridas, a viajar entre, Lisboa, Lousã, Espinho e Braga com mudanças à mistura. Vai ser um Natal sem tempo para sentir, mas pelo menos será um processo, uma promessa.

E por aí, como estão?

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Boas notícias

Finalmente, a minha situação quanto ao local de trabalho definiu-se.
Já há muito tempo que estava a tentar de forma mais formal ou mais informal regressar ao Norte, pedindo para fazer parte do meu trabalho num polo que a minha instituição tem no Porto. Soube esta semana que esse pedido foi aprovado!
O meu marido está agora a tentar ver com a empresa dele qual é a melhor altura para fazermos a mudança, mas se tudo correr bem, apontamos para fevereiro. Ou seja, não tarda nada voltamos para casa. Não tarda nada volto a morar na minha casa, em Braga, e deixo de pagar renda por uma casa que foi sempre sentida como provisória.
Vai ser uma grande mudança outra vez. Uma mudança de vida, além da mudança física. Mas desta vez, vamos para casa.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A batalha das hormonas

Comecei hoje com a medicação. Por um lado, é um avanço. Sinto que estou a fazer alguma coisa para resolver o problema. Por outro... não gosto nada da ideia de ter que tomar medicação, potencialmente para o resto da vida, quando nem sequer me sinto mal.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Hormonas, a continuação

Pois que fui hoje à consulta de endocrinologia. A médica não ficou alarmada com os valores esquisitos. Começo amanhã com medicação para a tiróide, e daqui a um mês regresso já com análises repetidas para ver como o caso evolui.
Vamos andando, e vamos vendo!

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

hormonas

Afinal, sempre havia alguma razão para não engravidar.
Tenho passado as últimas semanas em exames e ontem voltei a ter consulta com a especialista em medicina da reprodução - Dra. Daniela - que tem sido fantástica.
Antes disso, levantei os exames e agora havia não um valor alterado (e ainda mais que na análise anterior) mas dois, um dos quais muito estranho. Assustei-me. Passei uma semana em pânico, sem saber o que seria.
Ontem vim da consulta mais tranquila - para a semana vou a uma consulta de endocrinologia e vamos lá ver o que se passa com estas hormonas e o que se pode fazer com elas. Pode mesmo haver um problema genético, mas a menos que o meu marido partilhe do mesmo mal, não vai haver problemas por isso.
No meio de tudo isto ando com pouca paciência e cansada. Tenho estado ausente de tudo menos o essencial. Não me levem a mal.
A parte boa é que se tudo correr bem, depois de regularizar o caos hormonal até sou capaz de engravidar sozinha... era tão bom!
E outra parte boa são os passos grandes que tenho dado no sentido de voltar a casa. Está cada vez mais perto. Quase já consigo sentir a realidade palpável desse regresso. Quase, quase.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

e entretanto...

Começo a preparação para as fériazinhas com uma sessão de SPA em casa. Sobrancelhas arranjadas, depilação feita, e de seguida, unhas.
Nada como ficarmos mais arranjadinhas para nos sentirmos melhor!

Quase quase

A entrar de mini-férias. Vão saber bem. :)
Diz 5 de novembro fazemos 3 anos de casados, e para comemorar tirámos os dias 4 e 5 só para nós! Ainda nem sei bem por onde vou andar... mas mal posso esperar!

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Um dia difícil

Que começou com mais exames médicos... e com o esquecimento da requisição dos mesmos. Leia-se: correria para ir a casa buscar a requisição, no meio do trânsito de um dia de greve de metro e muito stress. Chegar ao hospital, pela segunda vez, com 20 minutos de atraso.

Que continuou com mais umas chaticezinhas laborais.

E que culminou num ato que precisou de muita coragem. Levar o Ozzy ao veterinário. Depois de tudo o que se passou com o Tommy eu e o Marido ficámos paranóicos com os gatos. É difícil não imaginar sempre o pior... Achava que o Ozzy andava a beber muita água - o que, num gato gordo como ele, pode querer dizer diabetes. Sabia que provavelmente não era nada - e as análises, felizmente, confirmaram que não era mesmo anda - mas foi a primeira vez que voltei a entrar no veterinário com um dos meus gatos, desde que voltei de lá sem o Tommy. Custa muito. Os cheiros, os lugares, as outras pessoas... Agora sei o que é estar na sala de espera sem animal de estimação - sei que significa que o animal de estimação está internado. E sei o quanto isso é difícil. Ver outras pessoas a passar por isso e estar ali, no mesmo lugar onde me despedi do Tommy, ainda doi muito.
Fui sozinha, porque francamente achei que se fossemos os dois seria ainda mais difícil, por sabermos, cada um de nós, o que o outro estava a sentir. Não conseguiria olhar o Luís nos olhos e não chorar. Mesmo assim, fartei-me de controlar a respiração para não chorar... Mas já está. E está tudo bem. E agora vou ver séries estúpidas e mimar os gatos, porque não consigo pensar em nada...

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Peso estacionário

Com esta novidade toda em volta da Yammi tenho-me fartado de fazer petiscos. Bons petiscos, claro. Menos bom é o meu peso, que nem anda, nem desanda. Ando parada... Tenho que me disciplinar um pouco mais...

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Mais resultados culinários

Os iogurtes ficaram perfeitos - usei como «fermento» um iogurte bifidus natural do LIDL. Gosto muito desses iogurtes porque são naturalmente pouco ácidos e têm uma textura cremosa agradável. Não juntei leite em pó, mas juntei uma colher de sopa rasa de açúcar e duas gotas (literalmente 2 gotas) de vinagre de cidra. A dica do vinagre/ sumo de limão foi a minha nutricionista que me deu e parece funcionar - como é muito pouco, não altera em nada o sabor. O leite que usei foi do dia, meio gordo. Depois de bem batidos na Yammi e aquecidos a 50ºC «abafei-os» na iogurteira. E ficaram exatamente iguais ao iogurte do LIDL. Sem dúvida, a repetir. E sempre são 6 iogurtes por menos de 1€!

O arroz de frango também ficou ótimo. Só achei que a receita era forreta na proporção carne/arroz, mas da próxima vez corrijo essa situação.

o Beuf Bourguignon também perfeito. Adorei. Sobrou para o jantar de hoje (a receita era para 4 pessoas) e não me vou incomodar nada por repetir. Ao mesmo tempo que cozinhava a carne, preparei uns bróculos ao vapor - foi a minha estreia com essa função - e também ficaram ótimos.

O que correu menos bem foi a minha tentativa de fazer leite de arroz... deixou bastante a desejar. Não sei se o problema será da receita. Se tiverem sugestões, que me digam!



quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Então e a Yammi?

Esta mensagem é particularmente para a querida Brown Eyes que estava em pulgas por saber novidades sobre a Yammi.





Pois bem, tenho-a comigo desde domingo. Até ao momento já fiz, com ajuda da maquineta:

 - sopa de abóbora (a olho) - ficou ótima e super cremosa. Adorei.
 - puré de batata (receita yammi) - bom, mas ainda não perfeito. Adorei, no entanto, o facto de que fazer puré assim é tão fácil como fazer um simples arroz. E sobretudo, suja apenas um aparelho! A repetir, eventualemnente com pequenos ajustes.
- bifinhos de porco com molho de cogumelos (receita yammi) - muito, muito bom :)

Estou satisfeita com a ajudante! Gosto do facto de permitir fazer outras coisas enquanto se cozinha, de sujar muito menos loiça e de perder menos tempo a picar legumes (e eu que não tenho grande habilidade com as facas...). Acho que em breve serei capaz de cozinhar à minha maneira com a bichinha, mas até lá vou dando uma espreitadela às receitas, para me orientar.

Entretanto, fiquei também a saber que a worten já vende as peças em separado, para o caso de ser necessário substituír a borracha, por exemplo, e os preços são bem simpáticos.

Algumas pessoas, no fórum do "de mãe para mãe" têm se queixado de sobreaquecimento quando fazem massas mais pesadas, como a de pão, por isso, como tenho MFP, vou deixar essa tarefa para ela...

Hoje será dia de iogurtes e arroz de frango. Depois conto como ficaram.

Ecografia da tiróide - check

Já fiz mais um exame: a ecografia da tiróide, e para não destoar do costume, estava tudo normal :)
As próximas semanas continuam a ser de espera e exames...

Beijos!

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

E a infertilidade?

Depois da histerossalpingografia (palavrão doloroso) normal, combinei com a médica marcar consulta se não engravidasse passados alguns meses. 5 meses depois (ontem) a consulta.
Fartei-me de tirar dúvidas e finalmente alguém reparou em alguma coisa que pode explicar a infertilidade: tenho um valor de uma hormona da tiróide alterado. Já fiz essas análises há um tempão, e só agora reparam nisso...
Resultado: pode ser hipotiroidismo, ou pode não ser nada. Vou repetir aquela análise para confirmar e fazer uma ecografia à tiróide.
Daqui a mais um mês, mais uma consulta, para ver os resultados.
À partida, a indicação para nós será avançar para Inseminação Artificial, mas só depois de a tiróide estar normalizada (se é que não está normal, mesmo agora). Podia ser pior. Agora é esperar, e fazer mais uns testes. Mas ao menos sinto que estou a fazer alguma coisa. Já não aguentava mais esperar por um milagre que já dava para perceber que não iria chegar sem um empurrão...

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Yammi

Tinha decidido comprar a Yammi quando entrasse o talão de 10% de desconto. Ainda são 34,90€ que se poupam, o que faz diferença.
Mas foi mais fácil dizer do que fazer. Afinal, nos dois continentes mais perto de mim, elas desapareceram de dia 6 para dia 7 de outubro de forma tão rápida que fiquei na dúvida se não era o Continente a não querer que usássemos os 10% de desconto na dita..
Por descargo de consciência, pedi aos meus pais que vissem se perto deles havia Yammis. E acabo de ter a resposta. Yammis aos montes! E está uma no carrinho de supermercado deles neste momento, para mim :)
Já fiz a transferência para os meus pais, por isso já posso dizer que tenho uma Yammi. Só não sei bem quando a vou ver... Talvez dia 17, a caminho de Braga consiga passar pela Lousã a levantar a bichinha nova. Só espero que esta não traga defeito! Estou ansiosa por experimentar o brinquedo novo!
 

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Coisas boas

Reparem que estou mais magra, sem saberem que estou a fazer dieta - yay, já se nota!

Voltar (de novo) ao ginásio e tentar fazer com que essa mudança se concretize ainda mais ;)

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Visitas

Vou ter comigo, daqui a uma semana e pouco, uma querida amiga do Brasil.
Como é evidente, quero recebê-la bem, e isso implica fazer umas comidinhas boas, mas que não demorem imenso tempo a preparar para não a deixar negligenciada no entretanto.
Pensei em fazer um bacalhau no forno, ou espiritual (nesse caso, deixado pronto a ir ao forno na véspera) numa noite, e um arroz de pato (também preparado com antecedência, e deixado na fase em que é só juntar arroz) noutra.
Mas, mesmo contando uns jantares fora, ainda me dava jeito uma ou duas ideias, dentro do mesmo tema: comida tipicamente portuguesa, que não demore horas a preparar ou possa ser preparada com antecedência. Que me recomendam?

E quanto a sobremesas, alguma ideia?

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

domingo, 29 de setembro de 2013

Jejum de despesas

Bem, ontem o marido encheu-me a cabeça por causa das despesas:
 - o planeado robot de cozinha,
 - a desejada arca congeladora,
 - mas sobretudo as despesas correntes que descarrilam sempre. Raro é o mês que não termina no vermelho - ou seja, com um raid às poupanças. Já aqui falei disso - há sempre alguma despesa extra - ou é um dos carros que precisa de pneus ou óleo, ou o IMI, ou o seguro, ou....

E tudo isso é verdade, mas o certo é que é dificil cortar. Até podemos guardar essas compras grandes para outra altura, mas o importante mesmo são as despesas diárias.

E então, baseando-me nos «super avarentos» vou tentar implementar uma semana sem gastos - uma semana em que não se gasta mais dinheiro que o estipulado. Os seja, as contas continuam a ser pagas, claro. Continuamos a almoçar fora (o marido sempre, eu, só 1x/semana). Mas nada de outros gastos - nem sequer no supermercado.
Não deve ser impossível, porque tenho sempre a despensa e o frigorífico bastante bem recheados. Com algum esfoço, até gastamos aquelas comidas que já estão no congelador há algum tempo.

Vamos a isto!

E por aqui... Trabalha-se

Sou contra trabalhar ao fim de semana. Afinal, o tempo para estar a dois é pouco e se não se aproveita rapidamente vira nenhum.
Mas hoje teve de ser. Recebi sexta à noite (e li ontem) quatro belos mails, com 55 belos anexos... que tenho que rever até... hoje à noite. Yupi.

E não se esqueçam de votar. É hoje!

sábado, 28 de setembro de 2013

Então e a Yammi?

Pois.
Comprei uma yammi. A última disponível no Continente a que costumo ir. Cheguei a casa cheia de vontade de a exprerimentar, e com ingredientes para um bacahau com broa e uma bolonheza no carrinho.
Chego a casa, abro a caixa e fico desconfiada. Então não é que a esferovite já estava meia partida em alguns lugares, e o cartão meio rasgado? Fiquei convencida de que a máquina teria sido devolvida por alguém.
Começo a tirá-la da caixa e... não enconto o copo medidor, que serve também como tampa.
Desiludida, volto à loja. (ou seja, sobe escadas com caixote, desce escadas com caixote...)
Afinal, a tampa estava lá, encaixada na esferovite e por isso não a encontrava.
Volto para casa: volto a subir as escadas com o caixote.
Volto a colocar a máquina na bancada, e agora com a tampinha, preparo-me para a experimentar. Pela primeira vez, ligo-a à corrente.
E a máquina dá erro.
Vejo no livro de instruções: tampa mal fechada. Retirar o copo, voltar a colocar. Faço isso três vezes. À terceira peço ao marido que entretanto tinha chegado a casa. Nenhum de nós consegue que o aviso apague e que a máquina ligue.
Voltei ao continente, para devolver a máquina. Aceitaram-na sem problemas.
O problema... é que era a última. Tive mesmo que devolver e não trocar. Cheguei a casa cheia de fome e sem robot.
Volta a haver yammis a 6 de setembro. Entretanto também perguntei no Pingo Doce e só me souberam dizer que o robot deles chega durante a primeira quinzena de Outubro. É esperar, e já agora, comparar.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Yammi

No outro dia vi à venda no Continente uma espécie de Bimby, de seu nome Yammy.
Estou há imenso tempo a namorar a Bimby, e fiquei curiosa, mas também com algum receio. O preço é muito convidativo, mas tenho medo que a qualidade ou resistência não sejam as mesmas.
Alguém comprou uma? O que dizem da maquininha?

Beijos!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

De mala às costas

Estamos cada vez mais decididos. Ainda não é um facto, mas a ideia começa a tomar formas e contornos bastante definidos.
Estamos a pensar seriamente voltar para casa. Sim, para Braga.
E como faríamos isso? Bem - o marido consegue transferência para perto de Gaia. Teria que fazer cerca de 150 km/dia de ida e volta, mas é possível.
Eu: das duas uma - ou consigo transferência para o Porto, ou não consigo. Se não conseguir, teria que vir a Lisboa todas as semanas - é cansativo, mas faz-se.
Fizemos contas, e ainda pouparíamos um bocadinho, mesmo com todos os gastos em transportes - pelo facto de não pagar renda. Pior seria o cansaço. Melhor, seria estar na nossa casa, perto da família e dos amigos.

Tenho dúvidas? Sim. A verdade é que também já tenho amigos aqui, e estou naquela fase em que perco sempre alguma coisa, seja por ir, seja por ficar. E tenho medo do cansaço - de ficarmos os dois em modo zombie de cansaço e não termos tempo nem energia para aproveitar as possibilidades que ganhamos.
Para já, volto a casa na quinta-feira e regresso no domingo. Depois, logo se verá.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O ponteiro vai avançando

Já viram a minha maçã desta manhã? Menos 1,6 Kg ;), já cá não cantam!

Tenho que trabalhar bem agora, para compensar a asneirada que vem a caminho...

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Da dieta, de novo e outras coisas

Bem, o ticker já avançou um quilinho. Não me parece mal :)
O fim de semana, com dois jantares em casa de amigos, representou um desafio daqueles. Maior ainda vai ser o desta semana: 3 dias fora de casa e a minha mãe a vir aqui passar uns dias... Vou precisar de toda a força de vontade do mundo para não descarrilar por completo.
De resto, a vontade de trabalhar anda pelas ruas da amargura. O blues de regresso ao trabalho anda apertado... Eu sei que não tenho razão de queixa. Eu sei que voltar ao trabalho deveria ser motivo de celebração. Mas lá que custa... custa. Cá me vou forçando a trabalhar e trabalho o melhor possível. A produtividade até anda boa, porque apesar de tudo tenho a cabeça mais descansada. Mas ando com um humor terrível.
Ando sem energia nenhuma. Ainda nem arrumei o conteúdo dos sacos de viagem das férias. Preciso urgentemente de dar uma grande volta a esta casa antes de chegar a minha mãe. Socorro!
Outro fator que não ajuda à festa é a história da infertilidade. Ainda não foi desta. Estava cheia de confiança neste mês. Foi um mês de férias, com mais tempo, menos stress... quem sabe se seria desta? Ainda por cima, foi o mês que tinha definido como o último «natural» antes de regressar à médica e informar-me sobre as opções médicas ao nosso dispor. Tenho que marcar a consulta... Imaginam a minha vontade? Ando emocional até dizer chega. Até me irrito a mim própria. Por mais estúpido que seja (ninguém tem culpa de não engravidar e racionalmente sei bem que não tenho razão) sinto-me culpada e sobretudo falhada. Não é o melhor sentimento do mundo.
Não me liguem demais. Uso este cantinho para desabafar. A maior parte do tempo estou bem. Cá nos vamos orientando, com paciência :)

Beijos!

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Ora, coisas

Coisa n.º 1: Ontem foi um dos nossos dias especiais. 6 anos de relação. 6! O tempo passa a correr quando é bem passado :)

Coisa n.º 2: Estou mais balofa que nunca. Ontem, retomei a dieta, com a ajuda de uma App (que moderince...) (NutriSoft Brazil). Conhecem? Recomendam outras?

Coisa n.º 3: Estou de volta ao trabalho. Diz que tem que ser não é? E que a alternativa é bem pior, nem se discute. Mas ai... doi um bocadinho.

Beijos!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

De volta

Como andam pelos vossos cantinhos?
 Cheguei hoje a casa, e estou em blues pré regresso ao trabalho. Só tenho mais um dia de férias :(

Apesar de todas as aventuras e desventuras, as férias correram bem.
Os biscates em casa ficaram feitos - eu e o marido, aliás, iniciámo-nos nas artes da bricolage e arranjámos nós mesmos o autoclismo (o nosso orgulho!!). Ainda conseguimos dar umas voltinhas entre o Gerês e a Galiza. Conhecemos a pequena mas encantadora vila de Celanova e revisitámos alguns dos nossos lugares favoritos.
O casamento correu bem. A noiva, uma amiga querida, estava linda e feliz, que é exatamente o que se quer.
Ainda conseguimos passar algum tempito com os sobrinhos de sangue e os de coração, familiares e amigos e os dias na nossa casa, ainda que poucos e atarefados, souberam bem. Tão bem que a vontade de engendrar (para breve) planos de regresso ficou aguçada. Ando a fazer contas. Muitas contas... como queria poder voltar...
O que fiz, assim de especial, nas férias? Nada. Mas mesmo assim foram boas.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Ponto médio

Estamos quase a meio das férias. Viemos a Lisboa, porque isto de ter animais de estimação é assim: não podemos (nem aguentamos) estar muito tempo longe deles.
Até ver, ainda nem tive tempo de me aclimatar às férias. Temos andado feitos nómadas, a visitar a família. Foram uns dias na Lousã com os meus pais, uns dias em Trás-os-Montes com os pais do marido, e um dia em Vila Real (sim, ainda Trás-os-Montes, mas uma localidade reconhecível por si mesma e não a aldeia onde estivemos antes que deve ser conhecida de, vá, umas 200 pessoas). Agora que já fizemos «check» nas visitas obrigatórias, estamos só os dois, e prontos para começar a aproveitar.
Agora vamos a casa. A nossa casa.
O problema é que uma casa que está quase sempre fechada acumula pequenos problemas. Ora, teremos a instalação do gás canalizado que ando a adiar há meses, ora pequenas reparações para fazer (umas tomadas, um autoclismo)... Estas coisas ainda vão ocupar bastante tempo.
Dia 30 vou receber uma inquilina, o que significa que vamos de novo para casa dos sogros. Vão saber a tão pouco estes dias em casa... Só espero ter tempo para aproveitar um pouco, e não ficar apenas pela parte chata.
Dia 31, um casamento.
E ainda temos que descobrir o que fazemos de dia 01 a dia 03, já que vamos estar sem casa...
E as vossas férias, como andam?

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Quase

 Mal posso acreditar.
A lista de tarefas que tenho que concluir antes de férias está quase, quase riscada.
Falta um último esforço, e dentro de mais dois dias posso descansar.

Como andam voçês, tudo de férias?

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Ausência

Não,

Ainda não fui desta que fui de férias. Só lá para meados de Agosto é que chega a minha vez.
Por enquanto, estou cheia de trabalho (como sempre) e a ver se o despacho, para as férias serem mesmo férias.
A motivação também tem sido pouca. As notícias têm sido poucas... enfim...
Vou andando por aqui.
Só para dizer olá.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Coisas

- Estou quase a morrer de calor.  A única vantagem é que a roupa seca num abrir e fechar de olhos, mas, para mim, tanto calor não permite mesmo fazer nada. Estou enfiada em casa, com as persianas corridas para não entrar tanto sol. Como eu detesto dias assim...

- Enquanto isso, corrijo provas. É bom sinal - sinal de que este ano letivo está a encerrar.

- O marido continua a trabalhar até às 23h, e prevê-se que essa situação continue... ainda nem sei quanto tempo. É muito chato estar (quase) sozinha em casa (quase) o tempo todo. Não sei como fazem os casais que têm que viver longe um do outro.... e hoje em dia são cada vez mais.

- Já disse que detesto calor?

- Os meus sinceros parabéns e reconhecimento profundo a todos(as) bombeiros(as) que andam aí fora, a defender-nos dos incêndios. Em dias assim penso sempre neles.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Estamos desgasparizados!

Estaremos desausterizados?

Só para me obrigar a dizê-lo publicamente...

e sentir-me responsabilizada:

No mês de junho fui ao ginásio 8 vezes.
Não foi mau, mas também não foi ideal.

Hoje começa julho, e já tenho uma aula marcada. Espero, desta vez, chegar mais longe.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

O peso do peso

Não tenho falado dos meus «progressos» na tentativa renovada de perder peso... porque não perdi peso nenhum.

Este mês consegui ir com alguma regularidade ao ginásio e sinto a minha condição física a melhorar. Se no regresso quase morria com uma aula, agora já tenho mais um pouco de resistência, já consigo fazer alguns exercícios em opções mais avançadas de dificuldade. Estou a progredir, mesmo que devagar.

Agora o peso... Ainda aumentou, depois desceu, e agora está na mesma, como a lesma. Não está a ser fácil.

Parcialmente, percebo porquê. Estive uma semana de férias em Braga - ou seja, comi fora uma semana inteira e tirei a barriga de misérias dos petiscos que só como lá. Passei uns fins de semana com pais e sogros... e já se sabe o que isso quer dizer. Sei bem que uma exceção é uma exceção, mas as exceções têm sido bastantes... e isso paga-se.
Por outro lado, muitos dias tenho me portado bem. Gostava de já ver mais resultados, mas desta vez parece que está a ser difícil.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Aproximam-se umas semanas complicadas

As coisas andam duras no trabalho do marido, que além de estar a trabalhar aos sábados, começa hoje a trabalhar até às 23h. Sim, isso: das 9 às 23.
Acima de tudo, não sei como ele vai aguentar.
Em segundo lugar, também eu fico sobrecarregada: quero evitar ao máximo que ele ainda tenha que se preocupar com trabalho quando chegar a casa, por isso faço as minhas tarefas, as dele, e ainda lhe ando a preparar lancheiras para levar. A alimentação é importante para aguentar o cansaço sem prejudicar (tanto) a saúde. De noite, a cantina está fechada. A empresa vai fornecer pizzas e hamburgueres... o que não me parece boa ideia numa base diária. A lancheira sempre permite levar umas refeições mais equilibradas.

Quase nem nos vamos ver estes dias. Vai custar... Já tenho saudades do meu marido.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Isto de andar

a fazer de babysitter das minhas tias tem muito que se lhe diga.
O pior é que se põem com confusões e exigências e aquilo que começou como um ato voluntário se transforma numa obrigação pesada e com horas marcadas. Não tenho vida para isto e estou a ficar muito, muito farta deste filme.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

De regresso

O que dizer destas férias?
 - que descansei
 - que comecei um novo trabalho em crochet
 - que visitei pais e sogros
 - que fui a minha casa (e há tanto tempo que lá não ia)
 - que dei um saltinho a Espanha
 - que passeei e namorei muito

Foi muito bom. Pena serem umas férias tão curtinhas. Até me está a doer este regresso ao trabalho!

terça-feira, 11 de junho de 2013

Coisas boas

Até hoje, estive de fim-de-semana prolongado.

Hoje estou de férias.

Há coisa melhor?

domingo, 9 de junho de 2013

Guardanapos de pano e individuais

Não sendo propriamente obsecada com isso, gosto de fazer os possíveis por poupar o ambiente.
Já há algum tempo que queria comprar guardanapos de pano, mas achava-os sempre um bocado caros para aquilo para que servem...

Até que, o fim de semana passado, passei no Continente Outlet e os vi.


Comprei isto tudo por 7,50€:
2 conjuntos de 4 guardanapos brancos (50% algodão e 50% poliester, com tratamento anti-nódoas): 3€ cada, com 50% em cartão. (0,375€ cada)
3 conjuntos de 2 guardanapos (100% algodão em verde, beije e castanho): 1€ com 50% em cartão (0,25€ cada).
Ainda aproveitei e trouxe 6 individuais de algodão: 1€ com 50% em cartão (0,50€ cada).


E pronto, ando a usá-los. Usamos os de cor no dia a dia, e assim sabemos sempre qual é de quem. Os individuais são práticos e ajudam a manter a mesa sempre limpa. Os guardanapos são lavados quando lavo a restante roupa. Resultado - menos guardanapos de papel desperdiçados, e uma mesa mais bonita.

sábado, 8 de junho de 2013

O perborato de sódio

Andava à procura de perborato de sódio há imenso tempo.
Não sei se vos acontece o mesmo, mas a mim, as toalhas de mãos brancas começa, com o tempo, a ficar meio escurecidas. Por mais que saiba que estão lavadas, faz-me confusão. Tentei de tudo para tirar as manchas e estava a pontos de as transformar em panos de limpeza... quando me lembrei do perborato de sódio. Procurei, procurei, e lá encontrei uma drogaria antiga que vendia o produto a granel. É um granulado branco - parece detergente da roupa.

Dá para ver o quanto lhe tenho dado uso! Comprei 1Kg, que quase enchia esta caixa (de sopa do Pingo Doce) e já vai a meio.

Ora, o perborato de sódio só funciona acima dos 60º, por isso só pode ser usado em roupa que aguente essa temperatura.

Como faço?

Encho um balde com água o mais quente possível (da torneira, mas ainda junto uma cafeteira de água a ferver, para ficar bem quente).
Junto um bocado de detergente da roupa e 3 colheres de sopa de perborato de sódio. Dissolvo bem.

Junto as roupas a tratar e deixo ficar de molho.

Faz uma espuma muito branca maravilhosa!

Quando deixar de ter espuma, escorro e ponho a roupa na máquina. Lavo a 60º ou mais, com detergente e mais 3 colheres de sopa de perborato de sódio. Et voilá.

As minhas toalhas de rosto parecem outras - foi pena não ter feito um «antes e depois».

Vamos ver como fica esta toalha de mesa (com umas nódoas persistentes)!


sexta-feira, 7 de junho de 2013

Amaciador para corpo!

Desde que ouvi falar deste creme que quis experimentá-lo.
E cumpre mesmo a promessa. É como se fosse amaciador de cabelo, mas para hidratar o corpo. Aplica-se depois do duche na pele molhada e passa-se por água.
A sensação é ótima. Apesar de ter comprado a versão para pele seca, espalha-se muito facilmente e a pele não fica pegajosa. Para quem tem preguiça de espalhar cremes, como eu, é maravilhoso.
Ainda melhor? É baratucho. Por isso, entra na minha rubrica de truques e pechinchas. Acho que este é um produto que vou passar a ter sempre em casa.

P.S.: partilho só porque adorei. Não ganhei nada com isso (antes ganhasse!).

Limpezas

Tenho algumas novidades no campo das limpezas para partilhar, que acho que valem a pena.

Ando, como muito boa gente, viciada no Pinterest. Se for o vosso caso já devem ter visto inúmeros pins sobre produtos de limpeza caseiros.

Fiz a experiência, e tenho bons resultados para partilhar.

1.: Limpeza de vidros/ multi-usos


Num frasco com spray (usei um frasco de limpa-vidros vazio) juntei, a olho:
 - umas gotas de abrilhantador de loiça;
 - uma colher de sopa de detergente da loiça (fairy, no caso)
 - 1/4 da garrafa de vinagre.
 - Enchi o resto com água.

E posso dizer que funciona muito bem! Para além de ser bom para limpar vidros (experimentei com um pano micro-fibras para espalhar e outro para secar bem) é bom para limpar os armários e azulejos da cozinha, bancas... enfim, grande parte das superfícies, desde que não sejam muito delicadas ou de mármore ou calcário. Ando viciada!

2. Limpeza da casa de banho

 2.1. O spray


Comecei por fazer um spray muito semelhante a este, mas mais concentrado. Fiquei rendida! Até as juntas entre azulejos clareou (e estavam bem escuras: a minha casa de banho é velhota e não tem janelas, por isso é fácil ganhar mofo). Tenho-o na banheira, juntamente com uma escova, para dar um jeitinho no duche. Tira muito bem as marcas de água e de sabão, o calcário, deixa os azulejos super-brilhantes - adoro.

A receita é algo como:
1/5 do frasco de fairy
encher até metade com vinagre
encher até cima com água.
Juntei na mesma umas gotinhas de abrilhantador.

2.2. A esponja

Vi algo igual no pinterest e não descansei enquanto não encontrei isto:

Encontrei uma semelhante à venda no Pingo-doce por menos de 3€. Enchi-a com o mesmo produto (receita do spray) e estou rendida. É preciso algum cuidado porque, como o detergente resultante é mais líquido do que o fairy, se a esponja ficar para baixo esvazia-se. Convém guardar na horizontal, com a esponja para cima e não encher totalmente.
Quanto estou no duche passo-a pelos azulejos e portas da banheira, antes de sair passo na própria banheira para tirar as marcas de sabão. Passo tudo por água e já está. Também é ótimo para o lavatório. Acho que nunca mais uso outra coisa e a casa de banho fica sempre a brilhar.
E como vêem na primeira foto, já comprei outro para a cozinha!

É verdade que o cheiro não é o mais agradável. Já vi algumas pessoas sugerirem que se adicionassem óleos essenciais, mas não o fiz, porque depois de passar por água e secar, o cheiro desaparece rapidamente.
Também vi uma «receita» que consistia a deixar macerar cascas de laranja em vinagre durante uma semana e depois usar esse vinagre para as limpezas - hei-de experimentar.

O vinagre é muito barato e para além de desengordurar, desinfeta bastante bem as superfícies - mata a maior parte das bactérias, fungos e vírus. Além disso é natural e seguro, o que me parece excelente.
Usei vinagre de vinho porque não encontrei vinagre branco e funciona perfeitamente. Da próxima vez vou experimentar o de cidra, que tem um cheiro menos ativo.


terça-feira, 4 de junho de 2013

Eu disse que o fds passado tinha sido bom!

Bem, descobri em S. João da Madeira uma loja outlet da marca de sapatos Chocolate Negro. E além de ser outlet, ainda estava em promoção: 2 pares, 40€. Resultado: 6 pares de sapatos novos. Lindos (pelo menos eu acho), super confortáveis, todos em pele e feitos em Portugal.
O que mais pode uma rapariga pedir?

Os meus favoritos foram estes:
E olhem que ainda gosto mais deles ao vivo.
Pelos vistos a loja online também tem preços de outlet, mas quanto a mim, nada como ir à loja e experimentá-los (para quem estiver perto). Só não sei se a tal mega promoção continua em curso.
Depois mostro os restantes!

Parece mentira!

Não é que a Lilian já não está na UZ, apesar de a ficha dela permanecer lá!
Então, desta vez vou apadrinhar um gatinho que me garantiram que está na União Zoófila: o Simon.

7107

Alguém a precisar de um amigo para a vida?

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Boa notícia!

Acabo de ser contactada por uma voluntária da União Zoófila a informar-me de que a Susy foi adotada!
Propus-me apadrinhar a Lilian, que já parece estar na UZ há muito tempo. Quem sabe se não terá a mesma sorte?

958
Aqui

quarta-feira, 29 de maio de 2013

coisas complicadas

As coisas têm andado num turbilhão.
Depois de um fim de semana bom (depois conto/mostro), veio um início de semana realmente mau.
Uma das minhas tias, que mora na região de Lisboa, tentou o suicídio no domingo. Foi precisa a intervenção da polícia e dos bombeiros para a tirar de casa e levá-la para o Hospital. Como a senhora é solteira, teve que vir a minha mãe na segunda-feira, para tratar de tudo, e responsabilizar-se pela irmã. E assim foram os últimos dias: ir para o hospital, falar com médicos, encontrar uma casa de repouso para ela, convencê-la a ir para lá, tratar da casa dela - afinal, havia uma janela partida (pelos bombeiros), e uma entrada fácil na casa, que ficou vazia, esvaziar o frigorífico, copiar chaves, levar-lhe roupas e pertences pessoais para a casa de repouso... Foram dois dias intensos, sempre a andar de um lado para o outro (e embora seja tudo na região da grande Lisboa, com distâncias de mais de 30 Km para cada lugar, e muito que conduzir), muito stress... muito trabalho a acumular-se.
Agora a minha mãe já regressou a casa, e a minha tia está na casa de repouso, medicada. Vamos ver se se adapta bem e aceita permanecer lá, o que seria ótimo. Enquanto isso, quem ficou com as chaves e a responsabilidade da casa dela... eu... que moro mais perto, claro. Ou seja, ainda não posso respirar fundo, mas tenho que regressar à vida e ao trabalho.
É mesmo triste ver o que a doença mental faz a uma pessoa. Andamos todos bastante abalados.


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Nova série: Diários da perda de peso 1


O que tem que ser, tem muita força, já a Deolinda o diz.
Não é que não soubesse que tinha engordado. Não é que não soubesse que este sendentarismo todo tem um preço. Sabia. Agora, com as roupas mais leves começava até a sentir-me mal com o que via no espelho. Sou daquelas mulheres que acumulam a gordura toda na barriga e nas ancas e o efeito pneu já se faz sentir. Sabia isso tudo. Mas ainda não estava motivada para mudar.
A verdade é que mudar dá trabalho. Fazer dieta e ir ao ginásio requer tempo para planear refeições, tempo para cozinhar sempre (e nunca recorrer aos take aways), tempo para comer fora o mínimo possível e tempo para ir ao ginásio. E tempo é a coisa que mais falta me tem feito nos últimos meses. Quando tinha, de facto, tempo, só queria pensar em descansar - a prioridade era apenas sobreviver a estes meses caóticos, de preferência sem dar em doida. E foram muitos meses assim - que agora moram no meu pneu.

Mas agora o ritmo abrandou (espero não engolir estas palavras), e lá ganhei coragem para enfrentar o touro pelos cornos. Ir ao ginásio foi a minha wake up call. Foi o que faltava para passar do estado em que sabia que devia mudar, para o estado em que estou - querer e estar disposta a fazê-lo.

Ontem comecei a dieta. Enchi-me de coragem e comecei, sem arranjar desculpas (amanhã vou para fora e no fim de semana são os anos do marido, e já sei que não vai correr bem, mas 2 dias de dieta seguidos de 3 de não dieta é melhor que nenhum). Fui ao ginásio e fiz body vive. Nem sequer gosto la muito de Body Vive, são demasiados saltinhos e correrias para mim - eu sou mais de Pilates, e cheguei ao fim da aula tonta e sem fôlego. Sinto-me tão incapaz e inadequada no ginásio que dói. E fisicamente também dói. Mas fui.

Hoje ainda quero ver se consigo voltar, antes do descalabro.

Vamos a isso.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Ticker atualizado

Aí, na barra lateral, podem ver o meu ticker de perda de peso atualizado. Pesei-me esta manhã, sem roupa e antes de comer para ver o peso real: 65,1. Tenho uma loooonga caminhada pela frente. Vamos a isto!

terça-feira, 21 de maio de 2013

Voltei ao ginásio... e ia morrendo!

Bem, a verdade é que no ano de 2013, esta foi apenas a 2.ª vez que pus os pés no ginásio. As consequências não se fizeram esperar.
 - estou a pesar mais do que quando entrei no ginásio. A balança deles (comigo vestida e calçada e a meio da tarde) marcava uns ominosos 66,6 Kg;
 - o perímetro abdominal também está maior do que quando entrei.
Não é que já não soubesse que tinha engordado. A roupa e o espelho dizem-me isso mesmo todos os dias. O stress, o trabalho fora de horas e as refeições fora de casa, associadas ao sedentarismo, não podiam ter outro resultado.
 - não consegui fazer quase nada. Senti-me totalmente incapaz, a falhar redondamente em todos os exercícios.

Agora que parece (mas bem sei que já disse o mesmo noutras alturas) que a minha vida pode estar a ficar mais calma e organizada, quero ver se regresso ao ginásio, e volto a comer um pouco melhor. Nos últimos dias já comecei a fazer uma alimentação mais equilibrada. Não consigo entrar a matar na dieta, mas pelo menos estou a comer menos porcarias.
É desta que este objetivo volta a estar na agenda. Perda de peso, aqui vou eu outra vez.


segunda-feira, 20 de maio de 2013

A Susy

Ia apadrinhar o Danko. Lembram-se dele? Ficou no meu coração desde aquele dia triste, pouco depois da morte do meu Tommy, em que caí na tentação de ver o site da União Zoófila.
Ia apadrinhar o Danko, mas descobri que já tinha sido adotado. Fiquei num misto de emoções. Feliz por ter encontrado uma casa, desejando muito que seja uma boa casa e que tenha uma vida feliz. Triste por essa casa não ser a minha. Nem sei explicar porque me afeiçoei assim a um bichinho que não conheço.
Então não «amadrinhei» o Danko. Mas há tantos, tantos animais a precisar de ajuda na UZ... que não podia simplesmente virar as costas sem ajudar nenhum.

Esta é a Suzy, a minha novíssima afilhada. É uma gatinha linda, parecida com o meu Eddie, e pelo que dizem, um doce de bichinho. Por favor ajudem a encontrar uma casa às direitas para ela!


Link
7335

Coisas boas

Este fim-de-semana a União Zoófila fez uma campanha de recolha de alimentos perto de mim. Fui ao supermercado ajudar com alguns alimentos, e fiz uma coisa que há muito queria ter feito: tornei-me sócia da União Zóofila. Porque somos (todos) pelos animais.


domingo, 19 de maio de 2013

Esperança

Comecei mais uma manhã de Domingo a trabalhar. Ando mesmo, mesmo, mesmo a precisar de um pouco de calma por estes lados. O que tinha a fazer está feito, mas infelizmente não posso dizer o mesmo de todos os meus colegas e estou a ver que, à última da hora, ainda sobrará para mim.
Pelo menos, o tal do extra está terminado. Esta foi uma semana verdadeiramente pesada, mas continuo com esperança de que em breve haja alguma luz ao fundo do túnel.
E entretanto sobram umas horas de Domingo para aproveitar. Vou a elas!

Bom Domingo a todos!!


terça-feira, 14 de maio de 2013

E pronto

Está a mala pronta, a roupa escolhida e a postos para amanhã. Estou a fazer as atualizações de ficheiros necessárias para que este computador - o meu eepc pequenino que me acompanha nas viagens, mas que não é o PC de todos os dias - fique com todas as informações necessárias para o trabalho.
Amanhã, o despertador tocará bem cedo, dolorosamente cedo, e rumarei a 3 dias de trabalho fora de casa.
Consegui um hotel que não mete medo (logo descobrirei se deveria meter medo) por muito, muito pouco, e vou ficar a dormir fora, mais uma vez.
Dou por mim a desejar muito que seja a última vez. Estou tão cansada deste trabalhinho extra...

Um último esforço... tenho que me convencer.

Esta tarde fiz...

Não um, mas dois resumos de artigos para enviar para duas conferências.
Estou orgulhosa!


segunda-feira, 13 de maio de 2013

Esta semana

Vou outra vez 3 dias para fora, para aqui:

E ainda por cima dão mau tempo :(

Vou a trabalho, mais uma vez, mas esta poderá ser a última. Já aqui tinha dito que este trabalhinho extra cada vez compensava menos. Estou a pensar deixá-lo de parte no próximo ano letivo. Este ano, isso de certeza, será a última saída por este motivo. E que bem que me vai saber parar um bocadinho!

Já disse que preciso de férias?

Boa semana!

sábado, 11 de maio de 2013

Desta vez

Nem no fim de semana paro.
Esta do sítio: a corrigir trabalhos :(.

Aproveitem o sol e divirtam-se por mim!


terça-feira, 7 de maio de 2013

Muito, muito cansada

Fazer mais de 1000 km no fim de semana, e ter mais uma daquelas semanas que me fazem entrar em parafuso só de pensar em tudo o que tenho que fazer... É coisa para me deixar muiiito cansada.

Ainda não tenho fotos do batizado, mas posso já dizer que correu lindamente, e que fui das pessoas menos formais que lá estavam!

Bom resto de semana!

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Coisas que vale a pena conhecer

Acabo de receber a minha primeira encomenda de uma loja online de alimentos e outros produtos para animais (os meus gatos chegaram à era digital). Tenho a dizer que fiquei muito satisfeita.
Se compram comida para os vossos animais no veterinário, é possível que vos fique mais barato. A mim, ficou mais em conta. Fica a dica para quem tem animais em casa: http://www.meganimal.pt/pt

P.S.: É mesmo só serviço público, não ganho nada com a informação.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Li, e revi-me...

Crónicas das horas perdidas: Living abroad (so true): " “What am I missing?” As you settle into your new life and country, as time passes and becomes less a question of how long you’ve bee...

Mesmo não estando noutro país... a sensação desta desterrada é a mesma. Vim embora, passo a vida a ansiar pelo regresso a casa, mas aquela casa que eu deixei, as pessoas que conheci, não serão mais as mesmas passados 3 anos (nem eu). Tenho medo, de, qualquer dia, não ser de lado nenhum.

Andamos a pensar muito seriamente em voltar. Ainda nada está decidido, mas a ideia anda a amadurecer. 

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Assim se passa um feriado

 - IRS entregue - check.
 - IUC (dos dois carros... sim, tenho 2 carros de maio) - check
 - Almoço de aniversário do meu Pai (74 anos... quem diria) - check
 - Deixar o marido a descansar, porque está com uma valente gripe - check
 - Ir ao Pingo Doce à espera de grandes descontos e encontrar apenas alguns descontos modestos - check
 - Preparar e arrumar no congelador carne para 15 dias - check.
 - Arrumar o resto das compras...

Porque será que estou tão cansada como de costume?

terça-feira, 30 de abril de 2013

IRS

Como tenho rendimentos da categoria A e B, só a partir de 1 de maio posso entregar a declaração do IRS. Preparei-a hoje, na aplicação IRX (que tem uma parceria com a DECO-Proteste - conhecem?). Mal consiga, faço logo a submissão dos dados para ver se o reembolso chega depressinha.

As boas notícias? Ainda vou receber uma quantia simpática :)
As más? Se fosse para o ano receberia muito, muito pouco. A bem dizer, quase nada...

Ai, que esta corda se aperta cada vez mais!

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Dúvida existêncial

Atendendo a que nunca fui a um batizado, alguém que me ajude...

O que se leva vestido a um batizado?

Nota: trata-se de um batizado em Trás-os-Montes, seguido de almoço numa quinta que faz casamentos, pelo que imagino que não seja muito informal...

Help!

Será que se for de vestidinho não destoo?

Este foi daqueles dias

Em que o marido chegou a casa e eu nem me tinha apercebido das horas que tinham passado. Estou de novo atolada em trabalho, mas a tentar dar conta do recado o melhor e o mais depressa possível.

O que vale é que o dia 1 de maio - que além de ser o dia do trabalhador é também o aniversário do meu Pai - está aí à porta.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Mini-férias

Fiz uma ponte hoje... não se nota muito pelo facto de estar a trabalhar... mas pelo menos estou fora de casa!

E que tal os vossos fins de semana?


domingo, 21 de abril de 2013

O almoço de hoje

Cogumelos portobello recheados com frango. Fiquei orgulhosa :)


Então

A coisa ainda se complicou um pouco.
Estava eu cheia de genica e convencida que sou muito forte... Só doía um bocadinho, como disse. Então fui aos correios, estendi roupa, fui a uma reunião de trabalho (de metro). Por esta altura estava a doer um pouco mais, mas como o analgésico deve ser tomado de 8 em 8 horas, achei melhor não abusar... e não fiz nada.
A meio da reunião já não tinha posição. Tive que pedir a uma colega que de desse boleia porque já não via bem como ia aguentar andar até ao metro.
Ontem ainda tive algumas dores, e só hoje é que estou mesmo quase bem.
Moral da história - meninas, se fizerem uma histerossalpingografia, fiquem quetinhas umas horas. São capazes de poupar umas dores a sério.

Bom domingo!

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Olá

Só passei por aqui a correr para dizer que sobrevivi.
Infelizmente... doeu. Não foi horrível, mas doeu, e ainda contina a doer um bocado - uma dor semelhante a dores menstruais, neste momento. Não foi bom, mas também não foi nada de transcendente.
A parte boa: o exame está normal. Todos os exames estão normais. Uma das trompas estava um pouco mais obstruída, mas o próprio exame desobstruiu-a (deve ter sido isso a doer, diz a médica). Moral da história - tenho boas possibilidades de engravidar sem ajuda nos próximos meses.
A médica queria que marcasse consulta daqui a 2 ciclos, se não engravidasse entretanto, mas respondi-lhe que 2 ciclos parecia muito pouco... Para quem já anda nisto há 14 meses, 2 ciclos não é nada! Respondeu-me que se preferissemos e conseguíssemos lidar com a ansiedade da espera, poderíamos esperar até 6 meses.
Moral da história: vamos continuar a tentar. Durante 2 meses, ou 4, ou 6. E se acontecer, fantástico. Se não acontecer... aí, então, vamos ter que voltar ao laboratório para mais exames.
Agora estou com um friozinho no estômago - que a perspetiva de poder engravidar assusta tanto quanto seduz - e com um sorrizinho parvo, apesar da dor de barriga.

Obrigada meninas, pelo apoio.

Um grande beijinho.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Ratinho de laboratório


É como me ando a sentir. Ando a ser picada, analisada, estudada por todos os ângulos.
Pelo menos, amanhã faço o último teste (pelo menos o último desta ronda), ainda que o pior tenha ficado para o fim. Amanhã é dia de histerossalpingografia... e supostamente, dói. Confesso que estou com algum medo. Vou com uma amiga, porque o marido não pode faltar ao trabalho. No final do exame vou conhecer a médica que vai passar a acompahar-me e que me vai explicar logo os resultados - haja alguma parte boa, ao menos não fico na ansiedade e no desconhecimento.
Até ver, os resultados têm sido todos normais (pelo que percebo, com a ajuda da doutora Internet, porque a consulta será só dia 2 de maio). Fica mesmo a expectativa toda para o final.
Até lá... vamos esperando para ver.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Fim de semana social

Um jantar cá em casa com amigos, na sexta.
Um jantar em casa alheia, com amigos, no sábado.
Um almoço num restaurante filipino e passeio em Alfama e depois à beira-rio com irmã e cunhado, no domingo.
A minha veia social há muito tempo que não era tão convocada. E confesso, soube bem.

Para terminar, domingo à noite, uma ida ao LIDL para comprar pão, encontramos isto:

 Já queria uma coisa destas há anos! Finalmente, o Eddie e o Ozzy têm um ginásio. E bem precisam, que andam a engordar imenso. Resultado: uma família feliz.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Até tenho medo de o dizer em voz alta...

(ou escrever)... mas...

... Estou quase a apanhar o barco. Quer isto dizer... a deixar de estar horrivelmente atrasada no trabalho. Será que, finalmente, conseguirei retomar alguma normalidade?


quarta-feira, 10 de abril de 2013

Pois então...

Fiz anos, no dia 5.
Parecendo que não, comecei este blogue com 29 (a caminho dos 30) e eis-me aqui com 32.
E estive em Évora. Não que tenha tido possibilidade de aproveitar muito, que no sábado tive que trabalhar, mas, ainda assim, foi bom.

 (o quarto onde ficámos, no Hotel Casa do Vale - recomenda-se - baratinho e simpático)

(as flores que o marido me ofereceu. Girassóis, não podia deixar de ser).

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Estive sentada a trabalhar

Até estas lindas horas!
Agora, vou para a sala descansar um pouco, que amanhã é dia de trabalhinho extra!
Para descansar de todo este trabalho... avizinha-se um fim-de-semana em Évora, que o meu aniversário é já na sexta, e como diriam as publicidades ao champô - Eu mereço. E como não posso parar até lá, vou-me agarrando à imaginação e sonhando com sítios assim:


Hoje

... É dia das mentiras!


Será que já me pregaram alguma sem eu dar conta?
E vocês, costumam fazer partidas ou contar mentiras neste dia?

Por aqui, está difícil mentir... estou enfiada na cama, de portátil no colo, a corrigir trabalhos que queria ter terminado em Março... e hoje já é Abril.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Ontem

A consulta em si correu bem, mas tal como previa saí de lá com uma enorme bateria de exames para fazer.
O impacto acaba por ser mais psicológico do que físico. Não é fácil ligar para uma unidade de reprodução medicamente assistida a marcar um exame, ou ter papeizinhos com receitas várias que dizem «Infertilidade». Torna a coisa mais real, mais oficial... Mas enfim, agora serão os exames - um dos quais supostamente dói que se farta - e depois logo se vê.
Vou ter que ser acompanhada por uma médica especialista em Infertilidade (mais um carimbo na minha testa... enfim) ao longo deste processo, e não pela minha Gin-Ob do costume, que já conheço e em quem tenho confiança. O que vale é que são colegas e trabalham sempre em parceria - espero que corra bem.
Estou relativamente otimista, e não vejo grande diferença física entre estar a tentar engravidar sem sucesso há 11 meses, ou há 13, mas psicologicamente, e agora oficialmente, ultrapassei a barreira da normalidade, e então entro na zona da intervenção médica. É a vida.
Agora o problema tem um nome, vago, mas um nome: Infertilidade Primária. 

quarta-feira, 27 de março de 2013

Andei a fazer o que não devia

E visitei o site da União Zoófila.
Eu sei que é cedo demais. E sobretudo, cedo demais para o Eddie e o Ozzy, que ainda agora estão a passar por uma alteração grande na vida deles.
Mas gostei tanto deste gatinho...

Não vou poder ficar com ele... mas se alguém quiser um amigo, fica a «publicidade».

Vão lá ver, é mesmo lindo e tem um ar muito meigo.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Por aqui tenta-se.

 - tenta-se regressar à normalidade,
 - tenta-se trabalhar,
 - tenta-se terminar uma série de tarefas em atraso para poder gozar a Páscoa com alguma calma.

Vamos tentando.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Mais um dia

Ainda atafulhada de trabalho. O trabalho não esmorece por não estarmos com cabeça para ele.
Fiz uma surpresa ao marido à hora de almoço e fui buscá-lo ao trabalho. Ele está, quer me parecer, mais triste ainda do que eu. Almoçámos a correr num shopping, mas ao menos estivemos juntos. Já soube que os colegas de trabalho se juntaram para lhe dar uma lembrança, o que foi muito querido.

Depois foi voltar para casa onde tenho estado a trabalhar (ou a esforçar-me por isso, pelo menos), na companhia do Eddie e do Ozzy. Andam super carentes e mimosos os meus bichinhos. Não sei se sentem a falta do «mano», se nos sentem tristes, ou ambos. Neste momento tenho os dois deitados ao pé de mim. O Ozzy faz ron ron. Por um lado é difícil vê-los aqui e saber que falta um elemento. Por outro, fico verdadeiramente grata por ter estes dois bichinhos e por estarem os dois livres daquela doença. Não conseguiria entrar em casa e não ter os meus gatos à minha espera. Ao menos tenho dois deles aqui, ao meu lado. Lindos e fofos como tudo, sabem animar-me um pouco.

Continuo com a ideia fixa na necessidade de ligar ao veterinário para saber do Tommy ou de ir lá visitá-lo. Tenho que me lembrar constantemente de que não o posso fazer. Ainda vou demorar a voltar a uma vida normal, mas sei que as coisas hão de melhorar. Sinto algum alívio, e muita gratidão, no meio da tristeza.

O meu gatinho lutou sem se queixar contra a doença, como um verdadeiro herói. Nós fizemos tudo o que pudemos, visitámo-lo duas vezes por dia, pedimos todos os tratamentos que o pudessem ajudar e mantivemos a esperança até ao final. O meu marido apoiou-me como só ele sabe fazer e demonstrou, uma vez mais, o coração enorme que tem. Os médicos e auxiliares do hospital dos animais foram incansáveis. Trataram-no não só com competência, mas também com mimo - algo que não vou esquecer. Todas as pessoas que se preocupam connosco preocuparam-se com o Tommy. Não foi o suficiente, mas foi o que humanamente (e felinamente) foi possível. Tenho a consciência de que não poderíamos, todos nós, ter feito mais. Se foi assim, foi porque tinha mesmo de ser.

Estou grata por todo o apoio que recebemos (o vosso incluído - obrigada de novo), grata pelo esforço imenso do meu Tommy em agarrar-se à vida, em ir buscar forças para interagir connosco quando o visitávamos, grata pelos médicos excelentes que ele teve, grata pelo meu marido e pela nossa família de 4 (como eu gostava que continuasse uma família de 5), e grata por ter tido 3 anos e meio muito felizes com o gatinho mais genuinamente bom que se pode imaginar. O meu gigante sem sombra de maldade, que nos fez rir tantas vezes e nos encheu o coração.

Adeus Tommy

O meu pequenino não conseguiu lutar mais, e acabou por nos deixar ontem de tarde.
Obrigada por todas as palavras de apoio e incentivo e pela preocupação connosco e com o nosso amiguinho.


terça-feira, 19 de março de 2013

Update do Tommy

Hoje tive-o no colo. Sem cateteres e sem o horrível «colar isabelino». Pareceu (quem sabe) um pouquinho melhor. A esperança, embora pequena, mantém-se viva enquanto o meu gatinho continua a lutar e os sinais se mantém estáveis - fracos, mas estáveis.
E uma boa notícia - os meus outros dois gatinhos não têm a doença. Não suportaria uma dose tripla desta situação. Fico muito aliviada por eles.
Continuo a agradecer muito o apoio que tenho sentido desse lado. É muito importante.

Beijinhos e turrinhas

segunda-feira, 18 de março de 2013

as coisas continuam muito tremidas

o prognóstico do Tommy continua entre reservado e crítico. Mas ele continua a lutar, e nós, lutamos com ele. Enquanto há vida, há esperança. E nosso pequenino, embora muito fraco, continua vivo.
Obrigada a todas pelo apoio.

sexta-feira, 15 de março de 2013

...

As más notícias sucedem-se. Por estas horas o Tommy deve estar a receber mais uma transfusão de sangue. Piorou muito. As nossas esperanças começam a desaparecer. Passei o dia a tentar trabalhar, por entre soluços e com a cabeça a rebentar. Obrigada pelo apoio.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Estava cheia de esperança

de ter o bichinho de volta no fim de semana... mas parece que não. O hematócrito continua a baixar e nos próximos dias, pelo menos, terá que estar internado. Precisava de boas notícias e espero em breve poder dá-las.

terça-feira, 12 de março de 2013

Um raio de luz

Finalmente, uma luz ao fundo do túnel. Já se sabe o que causou a anemia do Tommy - um parasita! Nunca pensei ficar tão feliz por saber que era um parasita, mas de entre as várias possibilidades, era a menos má - é tratável! Estou cheia de esperança de ter o meu gatinho de volta em breve. Ele precisou de mais uma transfusão, mas agora está um pouco mais desperto, já se consegue levantar para vir ter connosco à frente da box, receber festas e dar turrinhas. Já comeu um bocadinho, já fez ron ron... e eu, finalmente, consigo respirar. Infelizmente, ainda esta manhã teve uma convulsão... ainda temos que esperar para saber se, mesmo com o tratamento, o corpinho dele consegue recuperar. Mas estou muito mais otimista e cheia de esperança.

Muito obrigada a todas pelo enorme apoio, pelas turrinhas, pelas boas energias. Eu, o L. e o Tommy agradecemos muito. Espero, em breve, poder dar-vos boas notícias. E já disse ao L.: para prenda de anos, não quero mais nada - quero o meu Tommy.

(O meu pobre Tommy na sua box, com o soro e o colar Isabelino...)

domingo, 10 de março de 2013

Torçam por nós, por favor...

O meu gatinho Tommy está internado no hospital veterinário, entre a vida e a morte. Estou muito, muito triste e assustada. Felizmente, reagiu bem a uma transfusão de sangue que recebeu, mas ainda corre perigo. Está muito anémico, com o baço aumentado, e ainda não se sabe bem o que terá causado isto tudo. O mais incrível é que, até sexta-feira, parecia estar perfeitamente bem... mas claramente não estava. A veterinária disse que os gatos são muito bons a esconder as doenças, e o nosso conseguiu esconder de nós esta situação até ser muito grave.
Torçam pelo meu pequenino, por favor.


segunda-feira, 4 de março de 2013

O fim de semana em imagens




Ah... Houve a parte do trabalho, também (só para não ficarem com inveja), mas o domingo foi mais ou menos assim.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A vida nem sempre se compadece

A vida é assim mesmo, não é? Nem sempre se compadece dos nossos planos e boas intenções. Este fim de semana foi um exemplo disso mesmo.
Fui ao Porto na sexta, em trabalho, e a ideia era ficar por lá, onde o marido viria ter. Foi o aniversário do meu sogro e assim passaríamos um fim-de-semana em família, com um pulinho a Braga para ver a casa que não via desde o Natal (e o temporal que houve o mês passado). Parecia bem, não era?

Entretanto, informa-me a minha mãe que vem a Lisboa. Digo-lhe que não vou estar. Tão poucas vezes vem ela a Lisboa e logo calha numa altura em que não estamos.

E surge o primeiro contratempo - os pais do meu marido adoeceram, com aquela gripe forte que anda a atacar meio mundo e recomendaram que não fossemos. E lá mudaram os planos a primeira vez.

Fiquei, então, de ir ao Porto a trabalho, dar um pulo a Braga para ver como estava a casa e dar uma limpeza e vir no sábado para Lisboa, onde estaria o meu marido e onde ainda poderia ver a minha mãe. Não é um plano tão bom como o primeiro, mas não é mau, pois não?

Mas ainda não foi assim que as coisas se passaram.

Fui ao Porto, sim. Dei um salto a casa onde dormi e fiz uma limpeza e vim para baixo no Sábado. Passei a sexta e o sábado em viagens, para dizer a verdade. Combinámos um encontro com a minha mãe no Domingo mas... tivemos que ir a um funeral. A morte não escolhe momentos, e um tio do meu marido faleceu no Sábado. E lá fomos nós, mas uns quilómetros para cima, mais uns quilómetros para baixo, para cumprimentarmos a família e darmos os nossos pêsames. Ninguém poderia esperar esta volta do destino, que para nós foi um fim de semana mau, mas para a família próxima foi o desabar do mundo. Eles teriam, certamente, outros planos para aquele fim de semana. Mas ali estávamos todos, num cemitério - provavelmente o último lugar onde cada um de nós desejaria estar - porque a morte é assim mesmo, apesar de tantas vezes nos esquecermos que assim é.
E voltámos a casa cansados e aturdidos com esta realidade dura que fala sobre a inevitabilidade, a morte, o sofrimento. Porque a vida nem sempre se compadece dos nossos planos, e a morte, essa, nem quer saber dos nossos planos para nada, e não se importa de os interromper com a sua chegada.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Estou...

Outra vez no Porto a trabalho. Cheia de sono. Mas feliz porque vou almoçar com duas grandes amigas antes de inciar uma tarde de trabalho intensivo! Há coisa melhor?

domingo, 17 de fevereiro de 2013

depois...

... de um fim de semana a trabalhar, amanhã é dia de madrugar e ir para fora mais uns dias (a trabalho). Devo passar só uma noite na minha cama na próxima semana...
Com este panorama, o que me soube bem foi estar a marcar as férias para este ano... tantos planos bons para fazer!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

E que tal o vosso dia dos namorados?

Por aqui, deixei o planeamento para a última da hora.
Marcámos mesa num restaurante a 200m de casa, para não termos de nos preocupar com o trânsito. Fui surpreendida com uma prendinha, e um marido todo bem arranjado. Arranjei-me à pressa para ficar ao mesmo nível! E pronto, uma noite simples, mas boa!

E agora vou ali dedicar-me a uma pilha infindável de exames para corrigir.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

On the (rail) road again...


Esta mensagem devia ter sido publicada na sexta-feira passada. O dia em que tomei o pequeno almoço em Lisboa, almocei no Porto e jantei na Lousã. Já percebem porque ando longe...

Mais um selinho

Recebi esta proposta da Isilda, como podem ver aqui. Encontram também no link as normas de participação, que eu decidi subverter um bocado (hehe).

Ficam, então, as respostas, e passo o selo a quem quiser agarrá-lo!


1 - Que géneros de livros mais gostas de ler? Romance.
2 - Qual é o teu livro favorito? Hum... 100 anos de solidão, o Estrangeiro, Livro do Riso e do Esquecimento...
3 - Qual é a tua personagem favorita? Não consigo escolher.
4 - Quantos livros tens? Muuuuuuitos. Não os consigo contar. A maior parte são livros técnicos, no entanto.
5 - Qual é o teu escritor favorito? Milan Kundera.
6 - Porque decidiste criar o blogue? Estava a viver muitas mudanças na minha vida, na altura em que criei este blogue. Uma dessas mudanças foi geográfica e deixou-me a muitos kms dos meus amigos, por isso, sentia-me muito isolada. O blogue ajudou a quebrar esse isolamento e a partilhar as pequenas coisas da minha vida.
7 - O que é para ti um mundo perfeito? Não acredito em mundos perfeitos. Acredito que temos este mundo nas mãos, e que devemos fazer o possível por o aperfeiçoar.
8 - Qual é o teu destino ideal para passar férias? Porque estou longe de casa - ir a casa.
9 - És viciado em leitura? Já fui.
10 - Qual é a tua série favorita? Neste momento ando viciada no Scandal.
11 - Já viajaste para fora de Portugal? Sim. 

Divirtam-se!

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Selinho

Pois a nossa Monóloga tomou a iniciativa de me atribuir um selo. Eu confesso que não costumo dar muita atenção aos selos, e até acho que já estava a dever este em particular... não foi por mal, mas fui-me esquecendo! Com o novo convite, cá me convenci a agir antes que me esquecesse novamente!
Então, 7 factos sobre mim... hum... não é fácil. Vou tentar revelar qualquer coisa que ainda não saibam.

1. Já tive outros blogues antes deste - 3, para ser precisa.
2. Um desses blogues era sobre culinária!
3. Já fui magra demais - agora tenho uns quilinhos para perder.
4. Sou a mais nova de 5 irmãos.
5. Gosto muito de ler, mas ando muito preguiçosa - como passo o dia a ler por trabalho, não tenho lido por prazer, e tenho pena de ter perdido esse hábito.
6. Não fiz o primeiro ano da escola.
7. Uso óculos - sempre. Até no casamento. E algumas vezes até entro no duche com os óculos!

Pronto, estão cheios de informações «secretas». Quem se junta ao clube e aceita o desafio? Avisem-me para ir espreitar, sim?

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Isto de voltar, custa

Estou com umas dores musculares valentes, e um torcicolo daqueles.... Devia saber que cada vez que volto ao ginásio, depois de um tempo parada, custa que se farta! Mas parece que não aprendo. Devia servir de motivação para não desistir, mas não serve... só dificulta o regresso.


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Está na hora de voltar a entrar nos eixos

E hoje voltei à nutricionista - onde levei nas orelhas, como não podia deixar de ser - e ao ginásio - onde ia morrendo, de tão fora de forma que estou.

Agora vou ali convalescer um bocadinho e já volto!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Finalmente é Fevereiro


Por uma vez, estava ansiosa que este novo mês chegasse. Espero que nos corra bem a todas!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Por um canudo

É como vejo, neste momento, não a minha amada Braga, mas o fim deste mês...
Estou ansiosa por voltar a ter alguma vida para além do trabalho e das (muitas) chatices.
E um blogue, já agora.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

para piorar a coisa

... acabo de receber o recibo de vencimento. É piada. Só pode ser piada!

No meio de tanto trabalho...

Esqueci-me que tinha que entregar HOJE um monte de trabalhos.
Resultado: estou semi-enfiada na cama, com o computador em cima das pernas, a corrigir, a corrigir, a corrigir... para acabar tudo até ao fim do dia. ARGH!